Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não importa se estive, ou não!

A vida é um emaranhado de ações, reações e acontecimentos. Aqui, incluem-se as nossas ideias, pensamentos, divagações e estados de sentir. Ouvir a nossa intuição é primordial!

A vida é um emaranhado de ações, reações e acontecimentos. Aqui, incluem-se as nossas ideias, pensamentos, divagações e estados de sentir. Ouvir a nossa intuição é primordial!

Não importa se estive, ou não!

29
Jan18

Que jantar fabuloso

Gabriela Lima

Que jantar fabuloso. Não sou de hambúrgueres, mas dobro o corpo em forma de vénia ao hambúrguer que comi. Delicioso! O molho das batatas fritas era excelente! Não sei como o fizeram, porque não percebo nada de degustação de alimentos e não tenho ideia como podem ser combinados e cozinhados os ingredientes. Bebo um sumo de laranja com gás, para ajudar à digestão.

Bolas, acabo de me lembrar de uma coisa e nem sei como me fui lembrar de repente disto.

Vasculho por entre as folhas de todos os meus rabiscos e encontro umas coisas escritas à máquina. Lembro-me de ainda não serem famosos os computadores e, por isso, não propriamente um objeto procurado pelo cidadão comum, e sim o uso de máquinas de escrever sofisticadíssimas, de várias marcas e feitios. Mas a que tinha na altura era daquelas velhinhas, barulhentas, totalmente manuais e sem corretor.

Sentia-me uma pessoa mais crescida e profissional quando nela escrevinhava pensamentos, na varanda, ao som e vento do voo das rolas soltas e bafo do ar retido pelas janelas fechadas da armação instalada. Depois de alguns minutos de literacia, tinha de apressar-me a limpar os resquícios libertados pelas meninas e meninos voantes durante o breve recreio. Mas, antes, lavava devidamente as gaiolas para eliminar cheiretes e pivetes incomodativos.

Lembro-me do meu Putchy. Rola macho, cheio de vigor e energia tanta que, ainda borracho, andava para trás e de lado como os caranguejos e se estatelou no chão, caído de um armário, onde o tinha colocado em segurança, pensava eu. Partiu uma pata e passou a caminhar para trás, de lado e a precisar de muletas. Batia as asas à medida que crescia e tentava atirar-se no seu primeiro voo. Em cima do armário, atirava-se. A irmã, mais velha, fina, esperta e ágil, elevava-se no ar, batia sem esforço as pequenas asas e lá ia, de vaso em vaso, em rotina de treino. O pobre Putchy, enervado, tentava seguir-lhe os passos ou o voo. Atirava-se do armário, batia nervosamente as suas asas e caía em espiral até ao chão… um dia, conseguiu! Valeram as mil e uma tentativas e o comprimido para a asma. Sim, coitado, também era asmático. Conseguiu voar e também conheceu o destino de voar de vaso em vaso. Foi o último sobrevivente e o meu “rolinho” querido. Lembro-me de chorar a sua partida.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D